Review – Willow: Na Terra da Magia (1988).

Por Calil Neto

14 de janeiro de 2019.

Um filme que marcou a infância de muita gente e eu estou entre eles!!!! Esse é Willow: Na Terra da Magia (1988) um das belíssimas produções da LucasFilm de George Lucas bem antes de ser adquirida pela Disney. É dirigido por Ron Howard com roteiro de Bob Dolman com uma trilha sonora marcante do talentosíssimo e competente James Horner.

 

willow_ufgood

 

Na trama temos uma garotinha que nasce a tal da Elora Danan ( Kate e Ruth Greenfield ) que de uma forma messiânica segundo a profecia do longa vai acabar com a supremacia da malévola rainha-bruxa Bavmorda ( Jean Marsh ). Esse personagem me assustava na época. A criança é encontrada em um rio pelos filhos de Willow Ufgood interpretado pelo ator Warwick Davis que também ficou conhecido pela franquia de terror Leprechaun e é levada para um vilarejo rural onde habitam apenas simpáticos anões. Willow se propõe a levar a criança para o primeiro daikini ( indivíduo não anão)  que encontrar. Após descobrir que Elora  não é uma criança comum e que tem uma importantíssima missão como eliminar Bavmorda Willow junto com Madmartigan ( Val Kilmer ) e alguns guerreiros como seres selvagens pequeníssimos vão em busca de proteger a garota. No terceiro ato do filme temos trolls que se assemelham a macacos pré-históricos e até um monstro gigantesco de duas cabeças e Willow que também é um feiticeiros vai colidir com essas forças do mal.

 

willow clássico

 

 

 

Um filme épico e mágico!!!! Extraordinário com seus belos efeitos especiais e produção caprichada!!!! Um clássico inesquecível!

Nota: 4,0 de 5,0.

Anúncios

Review – O Poço e o Pêndulo (1991)

 

Por Calil Neto

12 de janeiro de 2019.

Você sabia que o cultuado Stuart Gordon além de dirigir longas de sucesso adaptados de H.P Lovecraft comandou também filme adaptado do também macabro Edgar Allan Poe ? O Poço e o Pêndulo ( The Pit and the Pendulum – 1991) é a versão do diretor norte-americano com Dennis Paoli assinando o roteiro adaptado do famoso conto homônimo do escritor do século XIX com produção da divertida Full Moon de Charles Band ( com os filmes Direct-to-Video B-Movie Horror Films de baixo orçamento) o mesmo estúdio responsável pela Empire Pictures.responsável pelos fofos Ghoulies, Troll – O Mundo do Espanto e muito mais que por falência fechou as portas no final dos anos 80.

Outro longa muito lembrado pelos fãs pela adaptação deste mesmo conto é O Poço e o Pêndulo de 30 anos antes dirigido pelo também lendário Roger Corman com Vincent Price e Barbara Steele no elenco e roteiro de Richard Matheson.

Uma produção que vale a espiada por ter a presença no elenco de duas figuras lendárias do cinema de horror moderno dos Estados Unidos: os atores Lance Henriksen que faz vilão inquisidor Torquemada na Espanha em ótima atuação e Jeffrey Combs que participou de diversos filmes de Stuart Gordon para a Empire Pictures e a Full Moon. O ator Jeffrey Combs com certeza ficou conhecido graças a Stuart Gordon.

O Poço e o Pêndulo aborda a Inquisição Católica na Espanha em busca da prisão e assassinato de bruxas e hereges e a dicotomia pecado/ sacro. Um filme que não deixa de trazer a hipocrisia das religiões, a autopunição por seus pecados. O falso profeta e a reflexão e moral de que é melhor ser um ateu do bem do que um falso religioso. Religioso que pratica o mal.

 

 

Um filme que traz a nudez gratuita da atriz Rona De Ricci mas que não é tão expressivo. Nota-se os seus poucos recursos em sua execução em um longa que é apenas para os admiradores de Stuart Gordon.

Nota: 3,0 de 5,0.

Review – Under the Silver Lake (2018).

 

Por Calil Neto

01 de janeiro de 2019.

Depois do sucesso de Corrente do Mal ( It Follows – 2014) que se tornou cult em pouco tempo agora é a vez de Under the Silver Lake (2018) também dirigido e escrito pelo jovem norte-americano David Robert Mitchell que nestes dois longas provou que é um profissional talentoso e que merece seus aplausos. Under the Silver Lake que possui uma pegada nonsense de David Lynch conquistou a sua premiere no Festival de Cannes do ano passado e tem distribuição da queridinha A24.

 

 

 

 

No enredo temos o jovem desempregado Sam ( o ótimo ator Andrew Garfield em ótima e madura fase ) que está para ser despejado de sua casa alugada em Silver Lake em Los Angeles na Califórnia e que fica em sua janela admirando a beleza das mulheres e vive em um mundo lisérgico por causa das drogas ou seriam acontecimentos reais? O cara também é fã de histórias em quadrinhos, de todos os tipos. No local tem um assassino de cães e o beijo da enigmática mulher coruja. E o garoto Sam quer saber o porquê do estranho desaparecimento da ex-vizinha Sarah ( Riley Keough ).

 

 

 

Um filme que aborda a linguagem subliminar presente na publicidade, na cultura pop ( filmes e jogos de video games por exemplo), o sexismo da sociedade, a busca de vida eterna, mundos paralelos, extraterrestres, o apego às coisas terrenas e muito mais. Tem o momento em que o personagem Sam dá de frente com um compositor de uma banda que é foda! E a maquiagem do cara!

 

Under the Silver Lake deixa o filme It Follows no chinelo! Uma verdadeira obra-prima do diretor David Robert Mitchell que me surpreendeu muito positivamente! FILMAÇO dentro do cenário cinematográfico independente dos Estados Unidos que não cansa de provar que é muito bom e deve levar seus filmes para serem premiados nas grandes competições ao redor do globo. Um dos melhores de 2018.

 

 

Nota: 4,0 de 5,0.

Review – The Happytime Murders ( 2018 ).

 

 

Por Calil Neto

31 de dezembro de 2018.

The Happytime Murders (2018) conhecido no Brasil como Crimes em Happytime é com certeza um dos filmes mais divertidos do ano em um cenário norte-americano que que anda em crise de criatividade em seus filmes de comédia. Saudades dos filmes com o ator Leslie Nielsen.

 

É dirigido por Brian Henson com produção da Henson Alternative. Filho do lendário Jim Henson criador e responsável pelo movimento dos famosos bonecos Muppets para a televisão e o cinema, diretor dos belíssimos O Cristal Encantado ( The Dark Crystal – 1982) e Labirinto, a Magia do Tempo (1986) falecido em 1990. Filmes estes que fizeram a infância de muita gente.

 

 

 

Na trama temos em Los Angeles o agora detetive e ex-policial Phil Phillips ( boneco azulado na voz de Bill Barretta ) junto com a ex-parceira na polícia Connie Edwards ( Melissa McCarthy do novo Caça-Fantasmas de 2016 ) que vão desvendar o assassinato de alguns membros de um programa de televisão envolvendo bonecos para crianças. E tem até uma boneca taradona Sandra ( Dorien Davies ) e a sequência de sexo dela com Phil em seu escritório que me fez lembrar do saudoso longa trashesco Meet The Feebles (1989) do começo de carreira do agora famosão diretor Peter Jackson nos mostrando que Crimes em Happytime é mais um filme divertido que somente vem para acrescentar dentro dos longas que envolvem bonecos e a temática adulta.

Nota: 3,0 de 5,0.

 

 

Review – A Noite dos Coelhos ( Night of the Lepus – 1972 ).

 

 

Por Calil Neto

28 de dezembro de 2018.

Um filme com coelhos gigantes querendo dominar o cenário dos Estados Unidos ? Sim esse é A Noite dos Coelhos de 1972 dirigido pelo veterano de western da televisão americana William F. Claxton que com certeza é uma das pérolas do cinema da tosqueira norte-americana com distribuição da MGM com baixo orçamento. Lembra de  O Ataque dos Tomates Assassinos de 1978 ? Já sabe mais ou menos o que esperar do inusitado A Noite dos Coelhos.

 

O longa com roteiro de Don Holliday e Gene R. Kearney é uma adaptação do livro  The Year of the Angry Rabbit dos anos 60 do australiano Russell Braddon. Na trama do longa temos coelhos gigantes famintos que foram modificados geneticamente por cientistas que travam uma batalha contra os humanos entre eles a personagem Gerry Bennett interpretada pela lendária atriz americana Janet Leigh eternizada na pele da garota do chuveiro Marion Crane do clássico dos clássicos do gênero terror Psicose ( Psycho ) de 1960.

O filme de William F. Claxton tem gore nos assassinatos e desmembramentos realizados pelos grandes coelhos. Tosco.

 

 

 

Os efeitos especiais do divertido A Noite dos Coelhos  são muito toscos e parecem que foram improvisados no momento das filmagens. Sabe aquele filme que parece que foi feito de última hora. Sim. Esse é A Noite dos Coelhos.

 

 

Nota: 3,0 de 5,0.

 

Night_of_the_Lepus-1972-movie-William-F.-Claxton-8

 

Review – A Freira ( The Nun – 2018 ).

Por Calil Neto

24 de dezembro de 2018.

A Freira ( The Nun – 2018 ) dirigido por Corin Hardy do elogiado The Hallow ( A Maldição da Floresta – de 2015) com roteiro de Gary Dauberman de It: A Coisa Capítulo 1 e  2, adaptação do livro clássico homônimo de Stephen King, traz nesse spin-off a origem da diabólica freira do quadro apresentada em Invocação do Mal 2 de 2016.  Gary Dauberman também foi o responsável pelo roteiro dos filmes da assustadora boneca Annabelle também pertencentes ao universo maravilhoso de Invocação do Mal ( The Conjuring ) com produção de James Wan.  A dark e sombria freira Valak ( Bonnie Aarons ) chamou tanta atenção do público em Invocação do Mal 2 que ganhou até seu spin-off.

 

 

 

 

Na trama temos nos anos 50 a noviça Irene ( Taissa Farmiga, irmã mais nova da também atriz Vera Farmiga )  que está se preparando para se tornar uma freira que é convocada pelo Vaticano para investigar e saber o porquê do estranho suicídio de uma freira em um convento localizado na Romênia.  A jovem Irene vai ter o auxílio do padre Burke ( Demián Bichir ) e do entregador de mantimentos do convento Frenchie ( Jonas Bloquet ) para desvendar o que tem de sobrenatural ou diabólico neste macabro lugar. As freiras ficam a todo momento realizando suas preces para afastar o mal e o lado sombrio do convento.

A Freira (2018) tem um belo desfecho mas é um filme que mais promete do que realmente cumpre com toda a campanha de marketing da produção.  Deixa aquele gostinho de quero mais e no seu final deixa uma brecha para uma continuação em um longa que deixa a desejar. Deu dinheiro então vamos produzir mais filmes!

 

 

 

Infelizmente filme apenas caça-níquel que tem a intenção de lucrar nas bilheterias. Mas vale a experiência!

Nota: 3,0 de 5,0.

 

 

Bicho bonito!